PNEUS 2019 EM 2020 NA F1. QUAL É O IMPACTO?


por Sergio Milani
Um dos aspectos chave para a temporada 2020 de F1 foi definida ontem, dia 9. As equipes através de voto eletrônico, foram consultadas a decidir se usariam os pneus desta temporada ou os novos compostos desenvolvidos ao longo do ano e testados em Austin e Abu Dhabi. E hoje a FIA liberou o resultado: todas as equipes escolheram a manutenção dos “calçados” usados este ano.
Não deixou de ser uma surpresa. Afinal de contas, o desenvolvimento dos carros deveria ter sido realizado em cima dos dados enviados pela Pirelli e agora estamos na fase final dos projetos dos carros de 2020, com a fabricação de boa parte já iniciada (um exemplo: Carlos Sainz postou hoje em seu twitter uma foto fazendo os testes com o seu novo banco no monocoque do MCL35). Não é loucura mudar isso tudo agora, aos 45 do segundo tempo?
Como um bom fabricante, a Pirelli buscou melhorar o seu produto. E escutou algumas das reclamações de alguns clientes: muito desgaste e uma janela estreita de funcionamento (temperatura ideal para o melhor desempenho e vida útil). Problemas que se comunicam. Para resolver, mexeu nos compostos e se jogou em um cronograma de testes ao longo do ano (exatamente 25 dias) com todas as equipes participando, incluindo um dia extra em Barcelona antes do GP do Japão, os primeiros treinos livres do GP dos Estados Unidos e dois dias após o GP de Abu Dhabi. 
Após Austin, a rejeição aos compostos propostos foi grande. As equipes disseram que não houve evolução e que na verdade se observava uma piora em relação à situação atual. A Pirelli diminuiu o tamanho do ruído alegando que os carros não estavam devidamente adaptados e que não era a versão final. O fato é que os italianos mexeram em algumas coisas para os últimos testes (reduziram a pressão, de modo a melhorar a aderência). E as declarações foram melhores, mas diplomáticas. Diante disso, as equipes questionaram a FIA e foi feita a votação de ontem. 
Em um ano de transição de regulamento, fica difícil querer emplacar uma mudança relevante nos carros, embora fosse algo interessante para os competidores. Entretanto, não nos esqueçamos que o regulamento técnico para 2020 é praticamente o mesmo. Portanto, a base de desenvolvimento é a mesma, encontrando uma eterna demanda das equipes: estabilidade de regras.
Então...se eu tenho uma base de desenvolvimento e o meu trabalho pesado é para 2021, por que colocar mais um item de incerteza que impacta diretamente no meu projeto? Afinal, os pneus são primordiais para o bom desempenho dos carros e o carro acaba sendo praticamente projetado em sua função. Ora, a partir dos pneus, eu trabalho a suspensão. E o seu funcionamento vai influenciar o desenvolvimento aerodinâmico. Quanto menos eu mexer nas variáveis, mais fácil (ou menos difícil) fica meu trabalho.
Para as equipes, vai demandar algumas alterações. Mas tenham certeza que esta possibilidade já era considerada. A Pirelli só entregou os dados definitivos do que seriam os pneus de 2020 em outubro. Desta forma, o desenvolvimento tendeu a utilizar os dados dos pneus de 2019. E houve um ano inteiro para entende-los à exaustão. Deste jeito, ficaria mais fácil fazer algum tipo de correção no projeto ou o refinamento.
Para a Pirelli, deve pairar uma sensação de frustração e desperdício. Mais uma vez deveremos ver a declaração diplomática de que respeitará as decisões vindas e que “fazemos o que nos pedem”. Mas foram vários meses de testes e trabalho para pneus que não serão utilizados. O foco agora será no desenvolvimento dos novos pneus 18” para 2021.
No fim, pode ser um fator de equilíbrio na disputa. Como dito antes, as equipes entendem muito bem agora o funcionamento dos pneus e os carros tendem a ser mais desenvolvidos. Equipes como Williams e Haas podem ter condições de consertar seus conceitos e conseguirem ter mais condições de disputa. Além da Mercedes ser mais provocada pela disputa, é claro.
O que é ruim para alguns, pode ser bom para outros. Neste caso, a manutenção pode ser uma boa para os fãs. Embora as suspeitas de sempre larguem na frente...




Comments