F1 2021: MAIS BARATA, MENOS DESIGUAL E MAIS VERDE

Em reuniao com fornecedores, o Diretor Técnico da Formula 1 deu as diretrizes da categoria para 2021 e além.


por Sergio Milani

Muitas informações interessantes surgem em locais diferentes dos habituais. No caso específico da Formula 1, tivemos uma série de falas que dao conta da visão que a categoria tem para os próximos anos.

A Associação de Industrias de Esporte Motor (MIA, em inglês) promoveu seu habitual encontro "Conferência de Crescimento de Negocios" às vésperas do GP da Inglaterra, realizado na sede da Racing Point. E no dia 11, recebeu Pat Symmonds, atual Diretor Técnico da Formula 1.

Symmonds foi uma das estrelas do evento e ouvido com bastante atençao. Afinal de contas, as decisões tomadas por ele e seu grupo afetam diretamente o desenvolvimento de seus negócios (8 das 10 equipes da Fórmula 1 são ingleses ou tem base na ilha).

A seguir, repasso uma série de informaçoes retiradas do Racefans.net (www.racefans.net), onde este assunto foi tratado em matéria publicada ontem, dia 24/07.

De acordo com Symmonds, o novo regulamento de 2021 prevê 4 tipos de modalidade de fornecimento:

- Componentes próprios (TSC em inglês): são aqueles itens listados em que a propriedade intelectual pertence aos times;
- Componentes padrão (SSC em inglês): são aqueles fornecidos por um único fornecedor, escolhido pela FIA através de concorrência;
- Componentes de projeto determinado (SDC em inglês): construídos através de projetos definidos pela FIA; e
- Componentes transferíveis (TRC): estes são os componentes fornecidos entre os times, em valores definidos através das regras do “teto orçamentário”.
Para o público presente, esta informação causa medo e interesse. Por um lado, restringe o fornecimento. Mas por outro, se abre a possibilidade, ao invés de fornecer para uma única equipe, venderia para 10....
No início do seu discurso, Symmonds lembrou que o principal regulador da Fórmula 1 é a FIA. A FOM, dona dos direitos, no máximo dá subsídios para que a federação tome suas decisões. Mas deixou claro que nunca houve uma tamanha cumplicidade entre as duas instituições como hoje.
Curiosamente, foi dito que as atuais diretrizes tiveram inspiração no que foi iniciado pela reunião das equipes que deu origem à defunta FOTA (Formula One Teams Association) em 2008. Naquela época, os times se reuniram para buscar um novo Acordo de Concórdia e acertaram uma série de ações para cortar custos (a restrição dos testes de pista e túnel de vento vieram daí).
Estas ações vão de encontro com os que se pensa para a parte comercial. Nesta parte, apareceram críticas nem tão veladas à gestão anterior (leia-se Bernie Ecclestone). E deixou claro que está se buscando um equilíbrio entre custos e receitas e a viabilidade econômica das equipes.
Nesta esteira, foi abordado o “teto orçamentário” de US$ 175 milhões (excluindo marketing, salários de pilotos, despesas de viagem e alguns gastos de pessoal). Symmonds deixou claro que este valor é maior do que o orçamento da Williams de alguns tempos atrás (lembrando que ele fez parte da equipe até 2016).
Na sequência, Symmonds disse que os fornecedores não deveriam se preocupar, pois várias oportunidades se abrem com a definição de fornecedores para vários itens. “Entendemos os perigos para o esporte e para a cadeia de fornecimento. Mas muitos de vocês irão saber que meus colegas e eu gastamos uma considerável quantidade de tempo nos envolvendo com vocês e com as equipes antes de considerar um fornecimento único. Isto não é uma novela em si mesma. Acho que nunca os donos dos direitos e os reguladores se envolveram com a cadeira de fornecimento desta forma”.
Mais à frente, explicou sobre a padronização de peças “Por exemplo, no carro de 2021 toda a montagem dos eixos e as porcas das rodas serão projetadas pela FIA e com várias fontes de fornecimento. As equipes poderão fazê-las, fornecedores poderão fazê-las e temos várias áreas onde queremos que sejam feitas.”
E sobre o fato do teto orçamentário poder limitar a inovação na Fórmula 1? Foi isso foi descartado por Symmonds:” Se alguém achar o caminho, todos gastarão seus orçamentos e você terá uma equipe dominante, com ninguém conseguindo alcançá-la. Então acreditamos que, mesmo com um teto orçamentário, ainda é necessário ter algumas regras sobre isso. E não creio que a inovação irá tirada da Fórmula 1.Temos um grande número de grandes engenheiros que sempre estão olhando para tudo. Talvez por isso os ganhos sejam cada vez mais marginais”.
Sobre novas tecnologias e conceitos, Symmonds falou que estão considerando ir mais adiante, especialmente em combustíveis de baixo carbono. As regras de 2021 tem um artigo, 4.4, que especifica a composição dos combustíveis e estipula uma quantidade (ainda a ser definida) de biocomponentes.

“Espero ir para uma fórmula baseada em energia ao invés de uma fórmula baseada em combustível de massa. Esperamos ir para algo que se aproxime do tipo de combustível E20 (ter 20% de biocombustível em sua composição), que nos deixaria bem à frente de onde a indústria está hoje. Temos uma meta de reduzir a emissão de gases que geram o efeito estufa”

“Temos uma um programa muito amplo de sustentabilidade, indo além do ambiental, tem muitas, muitas outras coisas. É um grande programa que estamos lançando. É muito excitante. Não posso dar detalhes agora.”

“Estamos buscando por 60% de eficiência térmica para nossa próxima geração de motores (hoje estão oscilando entre 40% a 50%). Queremos para os P3 híbridos (trem de força de alta eficiência) com muito mais conteúdo híbrido. Estamos analisando discos de freio de cerâmica para reduzir emissões. No final deste ano, teremos novidades sobre isso”.

Fechando o discurso, a fala foi para que “os fornecedores não temam o futuro da Fórmula 1, mas o abracem. Estamos dando passos proativos para proteger o que temos e crescer de forma sustentável”.






Comments

  1. Bravoooooo Bravooo! Quem sabe num futuro proximo teremos 6 pilotos brigando pelo titulo!

    ReplyDelete
  2. Fico muito interessante isso..espero que de certo

    ReplyDelete
    Replies
    1. Quem é fã da F1 torce por isso. Obrigado pela visita!

      Delete

Post a Comment