O GP BRASIL DE F1 JÁ TEM DONO



por Ialdo Belo e Sergio Milani

O anúncio da vinda da Fórmula 1 para o Rio continua dando pano para manga. O Formula i, diante do tiroteio de informações surgidas, procurou explicar uma série de situações sobre o lado carioca. Agora, vamos colocar mais algumas posições no tabuleiro.

Quase que imediatamente, São Paulo iniciou contra-ataque: Prefeitura e Governo do Estado lançaram um comunicado conjunto reafirmando que o contrato da Prefeitura com a Organização da prova é válido até 2020 e que negociações estão em curso para que haja uma renovação.

Em paralelo, sites como o Grande Prêmio e Diário Motorsport lançaram matérias falando que o contrato entre a Prefeitura e a Interpub (dona dos direitos) prevê uma renovação por mais 5 anos desde que as partes tenham concordância de prosseguir.

Pesquisando em várias fontes, tivemos acesso ao documento firmado entre a Prefeitura de São Paulo e a Interpub Eventos, dona dos direitos da organização do GP do Brasil junto à Formula One Management. O termo de convênio foi firmado em 15 de abril de 2014 e válido por 84 meses (7 anos).

Neste documento, a Interpub é definida como “a detentora exclusiva dos direitos da etapa brasileira do Campeonato Mundial de Fórmula 1 e a FIA, por designação da Formula One Management Ltd, com sede na cidade de Londres, detentora dos direitos comerciais sobre o Campeonato Mundial de Fórmula 1” e ainda que “em cada e qualquer etapa brasileira do Campeonato Mundial de Pilotos e Construtores da FIA será a organizadora do evento, segundo as normas da aludida federação, publicadas anualmente em seu Código Esportivo Internacional e os demais que regulamentam a atividade (itens 3 e 4 das considerações iniciais).

Entre várias coisas, vamos ao que pega hoje: a duração. A cláusula terceira, que aborda o tema, prevê que o convênio é válido por 7 anos a contar da data de assinatura, condicionado à manutenção da Partícipe (no caso, a Interpub) como detentora exclusiva da etapa brasileira do Campeonato Mundial de Fórmula 1 da FIA.

Mais à frente, no item 3.2, diz-se “ Admitir-se-à a prorrogação deste, por 5(cinco) anos, após manifestação expressa da Prefeitura e do Partícipe, que deverá se dar em até 90(noventa dias) após o 5º ano de vigência do presente convênio”.

Considerando que o quinto ano de vigência do convênio foi 2018 e o GP foi disputado em 11 de novembro, as partes teriam até fevereiro de 2019 para se manifestar. De acordo com com os sites citados, esta manifestação foi feita durante a disputa da prova daquele ano.

Desta forma, teoricamente, não haveria para onde correr. Interlagos continuaria a receber a Fórmula 1 até 2025, até porque hoje ainda é o único circuito brasileiro com o selo Nível 1 da FIA. Mas como dito no texto anterior, tudo é uma disputa comercial.

As saídas que podem tirar a Fórmula 1 de São Paulo são as seguintes:
- a perda do status da Interpub como “detentora exclusiva dos direitos da prova” junto à FOM. O convênio atrela a sua validade à confirmação da empresa anualmente nesta posição. E o item 5.2 reza que é responsabilidade da Interpub garantir a inclusão do Brasil no calendário da Fórmula 1;

Esta possibilidade implica na rescisão do acordo da Interpub com a FOM (leia-se Liberty Media). E pode acontecer por descumprimento de algum item contratual ou até mesmo pela quebra unilateral simples, o que pode ocasionar uma briga jurídica daquelas... E aí até podendo afastar o Brasil da Fórmula 1.

- os impactos da mudança da Lei de Concessões da Cidade de São Paulo. No último dia 08, a Prefeitura enviou Projeto de Lei à Câmara Municipal para modificar a Lei 16.703/17, que trata do Programa Municipal de Desestatização. E nestas modificações, abre a porta para a concessão do Complexo de Interlagos (e não a alienação, como se falava anteriormente).

Caso este modelo ganhe forma, o acordo não seria mais com a Prefeitura, mas sim com o novo “dono” de Interlagos. Aí, muita coisa poderia acontecer. Inclusive uma não continuidade do acordo;

- uma mudança pela Interpub. Como detentora exclusiva dos direitos da prova na Fórmula 1 no Brasil, ela pode buscar qualquer outro lugar para fazer a prova. Inclusive...o Rio de Janeiro. O que impediria um acordo neste sentido? Se houver alguém que tenha um circuito Nível 1 da FIA, a Interpub pode levar a prova sem problema algum.

Neste aspecto, o que poderia haver é algum tipo de boicote pela FIA e a FOM. Mas é uma situação que poderia ser acordada e que também não faz muito sentido.

Embora haja toda uma força política por trás e ainda os dedos da Liberty Media no processo, a bola hoje está com a Interpub Eventos. Que é materializada na pessoa do húngaro naturalizado Tamas Rohonyi, figura de proa do GP Brasil há anos.

Resumindo, Tamas hoje é o dono do GP Brasil (alguns dizem que, na verdade, é um "laranja" de Bernie Ecclestone) e é ele quem decide onde será disputada a prova, e não Jair Bolsonaro, Crivella, Witzel, Doria ou Covas!

Qualquer mudança nesta situação exigiria uma quebra no contrato entre a FOM e a Interpub. Impossível? Não! Plausível? Talvez! Por quê? Porque boa parte da taxa de milhões de dólares anuais que a Prefeitura paulistana paga hoje vai para os bolsos da Interpub e não para a Liberty Media, dai o motivo. Se a Liberty conseguir quebrar o contrato com Tamas, seja do modo que for, ela passará a receber uma parte (bem) maior do dinheiro. Se para isso precisar de apoio político, aí sim entram os governantes se digladiando.

E São Paulo, mesmo com os anúncios cariocas, está em vantagem e seu contra-ataque está em curso. Mas o inimigo está na trincheira e o jogo todo passa pelos pés de Rohonyi. E tal qual seu compatriota Puskas, pode fazer toda a diferença na partida. Mesmo com toda a fé e muitos fios de bigode em ação.

O documento começa na página 14.




Comments

  1. Ou seja, nada está definido, mas tem mais chance de continuar em SP.

    ReplyDelete
  2. Que não saia do Brasil ótimo. Que venha Rio Motorsport

    ReplyDelete

Post a Comment