domingo, 17 de abril de 2016

CORRIDAÇA


por Ialdo Belo

Nico Rosberg não tomou conhecimento dos adversários e venceu com maestria seu sexto grande prêmio consecutivo num final de semana em que tudo deu errado para seu maior adversário ao título deste ano: Lewis Hamilton.
O GP chinês foi de tirar o fôlego! Acidentes, ultrapassagens espetaculares, duelos emocionantes, ou seja, tudo o que a F1 precisa para entusiasmar seus fãs, que lotaram as arquibancadas em Xangai.
Quem viu a prova, está sorrindo até agora. quem não viu, corra atrás de um replay porque esta corrida teve muito mais que um único vencedor. Vamos a eles:

1º - Nico Rosberg - absolutamente impecável! Desde a estratégia de usar pneus macios no Q2, o que lhe rendeu uma parada a menos na corrida já que largou com eles, até a incrível diferença para o segundo colocado Vettel: mais de 38 segundos, coisa que a muito não se via na F1. NOTA 10.

2º - Sebastian Vettel - uma ousada largada de Kvyat acabou provocando um acidente entre Seb e Kimi. Ambos tiveram que trocar os bicos das suas Ferraris, mas não tiveram a prova tão prejudicada graças à entrada do Safety Car extamente para limpar os detritos do choque. Foi im incidnte de corrida, sem culpados. Mas a recuperação de Vettel com suas arrojadas ultrpassagens contribuiram, e muito, para o espetáculo. - NOTA 10.

3º - Daniil Kvyat - largou muito bem e de forma agressiva, acabando por "assustar" Vettel que tocou em Kimi. Entretanto, o destaque mesmo vai para o carro da Red Bull que definitivamente provou já ter deixado a Williams para trás. NOTA 6.

4º - Daniel Ricciardo - provou que a Red Bull está de volta e com uma condução soberba fez uma das melhores corridas de sua carreira. Foi prejudicado no "salcedo" que envolveu vários carros a partir do toque entre Vettel e Kimi. - NOTA 10

5º - Kimi Raikkonen - está em grande fase e não fosse o toque certamente brigaria pelo pódio. NOTA 9.

6º - Felipe Massa - só o duelo dele com Hamilton valeu o ingresso. Pilotou com extraordinária habilidade e provou que o Massa de 2008 ainda existe, desde que a Williams não erre... Desta vez, a equipe merece destaque positivo. A estratégia foi perfeita a a troca de pneus em 2,1s deve ser um novo recorde. - NOTA 10.

7º - Lewis Hamilton - gênio é gênio! Além de largar em último, ainda foi mais uma vítima do "salcedo". Deve ter parado nos boxes umas cinco vezes e ainda assim proporcionou os momentos mais emocionantes da todo o GP em seu duelo com Massa. Fez tudo o que podia, mas não era o seu final de semana. NOTA 10.

8º - Max Verstappen - é sempre uma atração à parte! O guri dá show em cima de show e a sua pilotagem arrojada está cada vez mais técnica com a experiência que vem adquirindo. NOTA 10.

9º - Carlos Sainz - é um piloto mais cerebral se comparado a Mad Max, mas em termos de talento não fica a dever. Não brilhou tanto quanto o team mate, mas fez boa prova. NOTA 7

10º - Valtteri Bottas - a impressão que dá é que está perdendo o ritmo. Com tantos talentos novos, o finlandês está sendo derrotado na guerra  e deixando de ser a "sensação". NOTA 5.

RESUMO DA ÓPERA

Hamilton, no momento, está em situação dificílima no campeonato. Foram apenas três provas? Sim! Mas são seis derrotas consecutivas para Rosberg e isso certamente está mexendo com sua cabeça. Uma situação muito parecida com a de Senna e Schumacher em 1994. Tem talento para reverter? Tem, de sobra. Entretanto, um novo triunfo de Rosberg daqui a duas semanas na Russia poderá trazer consequências sérias.
A Williams regrediu, enquanto a RBR deu um passo gigantesco e promete esquentar a briga com a Ferrari.
A Mercedes continua em outro planeta e caminha para mais um campeonato.
A Haas não pontuou, mas Grosjean também foi outra vítima do Chinacrash, enquanto Gutierrez teve toda sorte de problemas num final de semana para esquecer.
Alonso, sendo Alonso, mentiu para os médicos e disse que não sentia dores na costela fraturada. Chegou a andar bem, mas a McLaren ainda não chegou lá.
A Renault ainda não disse ao que veio e acho que com a dupla de pilotos que tem, dificilmente dirá.
Force India e Manor chegaram a andar na frente, algo que em momento algum aconteceu com a Sauber, mas todas ficaram pelo caminho.
Na Europa dão como certa a permanência de Felipe Nasr na F1 em 2017, mas certamente em outra equipe. Nada está definido, mas eu seguiria o palpite do jornalista Lito Cavalcanti, da revista inglesa Autosport e do canal SporTV: "O futuro de Nasr parece amarelo...", numa clara referência a Renault,


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário