quarta-feira, 6 de novembro de 2013

MÃE DINAH ACERTOU: TODOS ERRARAM!


por Ialdo Belo

Ela é a vidente mais famosa do Brasil e como toda vidente que se preza, erra feio! Foi assim este ano quando cravou, e errou, o Fluminense como campeão da Libertadores e o Corinthians como campeão brasileiro, isso para ficar só no futebol. Entretanto e apesar disso, alguns jornalistas resolveram adentrar nos perigosos e nebulosos caminhos do ocultismo, da adivinhação, das certezas incertas... Resolveram chamar pra si a responsabilidade de Mãe Dinah e como não podia deixar de ser, também erraram! 
Vieram videntes de todas as partes do mundo e de todas as formas de mídia. Definiram pilotos, prazos de contrato, salários, sócios de equipes e firmaram a data do juízo final: entre terça e quarta-feira, dias 5 ou 6 de novembro de 2013. As datas vieram, passaram e nada, absolutamente nada aconteceu, exceto, mais previsões. Elas são proferidas em alemão, inglês, português... Mas entram juntas e misturadas num caldeirão de desinformações que realmente não dá para levar a sério.
Eventualmente, neste turbilhão, alguém poderá acertar o chute, bater no peito e dizer: "Eu falei!".
Mas isso não é jornalismo! 
Estamos vivendo uma era em que a notícia virou factóide. Espaços destinados à informações estão sendo utilizados pelos "marrons". O que poderia ser menos notícia do que uma mulher que vive alardeando aos quatro ventos que quer leiloar a virgindade? A quem interessa saber que uma obscura "ex-BBB" (parece que a mídia transformou "ex-BBB em profissão, se não estou enganado) está com problemas de saúde? O leitor quer saber realmente é onde foram parar as toneladas de vigas de aço "desaparecidas" com a demolição do Elevado da Perimetral, no Rio de Janeiro. Se é para falar de entretenimento, o que se quer é que não se troque o horário da F1 pelo do futebol e só quem pode defender o telespectador é o 4º Poder, ou seja, a mídia. É preciso lembrar que nem todos os brasileiros tem acesso à TV paga e muitos outros sequer à TV aberta, mas são cidadãos que compram os produtos dos patrocinadores e que pelo menos por isso merecem ser respeitados.
Está na hora do jornalismo entender que o mais importante é a notícia. E que esta deve obedecer o critério básico de ser um informação acurada e não um jogo de adivinhações.
Mãe Dinah erra e vai continuar errando, mas existirão sempre aqueles que nela acreditarão.
Já a imprensa que divulga a desinformação perde credibilidade. E sem credibilidade jamais existirá a notícia.  


Nenhum comentário:

Postar um comentário