sexta-feira, 11 de outubro de 2013

MORTE DE MARIA DE VILLOTA PODE SER A PRIMEIRA DE UM PILOTO NA F1 DESDE A MORTE DE AYRTON SENNA


por Ialdo Belo

A morte da ex-piloto de testes da Marussia Maria de Villota, aos 33 anos, está sendo considerada até o momento "por causas naturais", embora a realização de uma autópsia esteja programada.
De Villota foi encontrada morta num quarto de hotel em Sevilha, na Espanha, onde se encontrava para para participar de uma conferência, que foi suspensa após a notícia.
Não foram encontrados no quarto sinais do uso de drogas ou bebidas alcólicas e os que conversaram com ela antes da tragédia relataram que se encontrava bem.
A ex-piloto escapou da morte ano passado num acidente terrível quando testava para a Marussia na Inglaterra. As sequelas ficaram mais evidentes na perda do olho direito e nas várias cicatrizes no rosto que foram amenizadas através de cirurgias plásticas. No entanto, Maria vinha se queixando das constantes dores de cabeça e talvez seja possível especular que tenha sido vitimada por algo relacionado ao acidente.
A notícia de sua morte chegou ao paddock da F1 durante a realização do 2º treino livre para o GP do Japão e, como não podia deixar de ser, gerou uma grande comoção e uma onda de manifestações solidárias nas redes sociais.
Vale destacar que se for comprovado que a morte de De Villota ocorreu em decorrência das sequelas do seu acidente, será a primeira morte relacionada à um piloto da F1 desde a de Ayrton Senna, em 1994.
Até este momento não temos informações sobre os procedimentos para o funeral.


Um comentário: