quinta-feira, 22 de agosto de 2013

"FERNANDO IS FASTER THAN YOU"

Exatamente um ano após seu acidente e quando estava na liderança do GP da Alemanha esta frase, transmitida via rádio por Rob Smedley para Felipe Massa, decretou o fim da carreira do brasileiro na F1.
Quando Alonso chegou na Ferrari, em 2010, Massa era o queridinho da Scuderia. Tinha batido Schumacher nas pistas em 2006; possibilitado o título de Kimi em 2007 e ele mesmo sido campeão (por alguns segundos) em 2008, ano em que só não ganhou o campeonato com folga por erros da Ferrari e pela própria trama do Renaultgate, que teve como grande beneficiado justamente... Fernando Alonso!
O acidente quase fatal de 2009 na realidade não fez tão mal para Massa quanto a contratação do espanhol. A sua chegada na Ferrari se deu bem ao seu estilo: demandas, dissimulações e, principalmente, intrigas. Fernando literalmente conseguiu colocar a equipe toda a seu favor e passou a tratar Massa como um mero escudeiro, quando na realidade Felipe já o tinha vencido várias vezes nas pistas e à época estava no mesmo nível. Alonso fez isso em todas as equipes pelas quais passou, mas se deu mal na McLaren, a única a não aceitar seus "mind games". Coincidência ou não, o outro piloto da F1 que durante toda a sua carreira teve o mesmo comportamento é o seu grande amigo Mark Webber e ambos são gerenciados por Flavio Briatore. Este é um trio que eu não gostaria de topar num beco escuro...
O fato é que toda a pressão da Ferrari desde 2010 recai sobre Felipe. Ele é sempre o ameaçado, ele sempre é o que tem que ceder, ele sempre é quem erra, nunca Alonso ou a equipe. Tivesse tomado a atitude que eu sugeri à época do GP da Alemanha - parado o carro nos boxes, pegar o capacete e ir pra casa, Massa talvez estaria pelo menos sendo respeitado e com seu talento, poderia ter tirado um ano sabático como Prost fez e até mesmo Kimi, mantendo seu prestígio intacto. O problema é que o brasileiro sempre jogou pelo time e se agora vier a perder seu assento aprenderá da maneira mais dura que para ser campeão às vezes tem que rebelar. Vettel que o diga!
De todo modo, o destino de Massa estará em jogo já a partir deste final de semana em SPA e a pressão será ainda maior e o prazo para agir, menor.
Como todos os amantes do automobilismo e também como brasileiro, espero que o final desta estória não seja lacônico.


4 comentários:

  1. Concordo, mas, independente do talento de Massa, acho que lhe falta atitude. Na minha concepção, sejam quais forem os interesses, tem que se manter a dignidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi exatamente o que escrevi, Sandrinha, hoje e na época do episódio.
      Você consegue imaginar Ayrton, Prost ou Schumacher aceitando isso?
      Para ser campeão é preciso ter três requisitos fundamentais: talento, sorte e atitude.

      Excluir
  2. Minha opnião é que ele fez o que tinha que fazer... baita piloto, técnico e arrojado, mas o tempo passa para todo mundo... está aí o Rossi para nos mostrar isso. Massa merece todo o meu apreço... muitas vezes temos que engolir "sapo"... vida que segue... vai correr as 24hs de Nurburgring Nordschleife... kkk...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcello, Mansell foi campeão de F1 aos 39 anos e na Indycar aos 40, só para ficar em um exemplo.
      A idade conta, mas Felipe está longe disso.
      Na minha opinião, ele permaneceu tempo demais na Ferrari após a chegada do Alonso. O certo seria quando percebesse o que estava acontecendo berrar ou pedir pra sair.
      Como disse a Sandra Teixeira, tem que ter dignidade, algo em falta aos pilotos brasileiros da F1 nos últimos anos.
      Quanto à correr em outras categorias, acho que só por diversão porque depois que você prova o que existe de melhor...

      Excluir